terça-feira, 1 de setembro de 2009

Por que alcool em gel?


Tudo que é novo, assusta. E assim funciona a Influenza A, é uma doença nova, com alto indice de contagio, e isso vem assustando a população mundial. Mesmo sem saber o porquê do uso, o alcool em gel simplesmente sumiu das prateleiras nos locais de maior incidencia da doença. A população acabou com o estoque de alcool em gel nas prateleiras dos mercados.

Mercados? Sim, não encontramos mais o produto nos supermercados. Isso significa que estão se prevenindo? Sob o ponto de vista científico, isso significa que estão limpando mais suas casas. Isso mesmo, o alcool comunmente encontrado no supermercado é alcool destinado a limpeza domestica, não recomenda-se seu uso para desinfecção das mãos, e é pouco eficaz contra o tão famoso e temido H1N1.

Edson Lima, do Diário de Maringá expos em seu blog:

"Como muitos, você já deve ter perguntado: por que álcool em gel para combater a gripe A?

A engenheira química Telma de Oliveira, do Departamento de Engenharia de Processos da Cocamar explica que o álcool em gel tem maior eficiência perante o similar líquido. “Além de não esparramar facilmente, é menos perigoso em seu manuseio”, explica.

O álcool em gel, diz ela, tem 70 graus – cuja eficiência no combate ao vírus (que morre por desidratação) é bem maior em relação ao produto de graduação menor.

No entanto, uma curiosidade: o álcool de graduação superior, como o de 96 graus, acaba evaporando bem mais rápido, o que compromete sua eficácia no combate aos micro-organismos. 

*Tire suas conclusões.

*Uma coisa é certa: o álcool gel evaporou do mercado."

http://blogs.odiariomaringa.com.br/edsonlima/2009/08/11/por-que-alcool-em-gel/

Importante dar uma lida na matéria publicada pelo Último segundo, do portal IG:


"Antes de adquirir qualquer uma das opções no mercado é preciso saber que todo álcool comercializado no território nacional (qualquer que seja a forma) precisa ter registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Isso vale também para os produtos de fabricação própria vendidos em algumas redes farmácias.

"Se o produto não tem registro na Anvisa, não se conhece a sua origem, composição e o consumidor corre o risco de sofrer problemas na pele. Quem encontrar produtos assim deve denunciar à Anvisa (0800-611997 e e-mail ouvidoria@anvisa.gov.br) ou à vigilância sanitária de sua cidade", diz o diretor da Anvisa Dirceu Barbano.

O consumidor pode identificar se o álcool tem o registro verificando na embalagem a presença de um código com as iniciais "MS" e seguido de um código numérico. "Para ter certeza se o registro realmente está correto, basta ligar para a Anvisa e confirmar o código", assegura Barbano.

Além do registro, ele diz que não importa se o produto está em forma de gel ou líquido, mas a concentração dele. O importante é ter concentração de 70% (composto com 70% de álcool etílico e 30% de água). Acontece, que os produtos nessa concentração normalmente estão em forma gel", explica.

Também é recomendável evitar o álcool em gel de limpeza doméstica, encontrado na seção de limpeza dos mercados. Com relação à mistura caseira para transformar o produto líquido em gel (70% de álcool líquido e 30% de água) - propagada devido a falta do produto gelatinoso nas prateleiras - ele diz que não é a melhor a opção, mas pode ser utilizada.

"Numa situação como a que vivemos atualmente, o importante é o hábito de higienizar as mãos, como lavá-las com regularidade. O álcool é fundamental naquele ambiente em que o consumidor não tem condições de fazer isso", diz o diretor da Anvisa. Nesse caso, porém, o consumidor não deve se esquecer de conferir na embalagem do álcool líquido, além do registro da Anvisa, o selo obrigatório do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro)."

Antes de adquirir qualquer uma das opções no mercado é preciso saber que todo álcool comercializado no território nacional (qualquer que seja a forma) precisa ter registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Isso vale também para os produtos de fabricação própria vendidos em algumas redes farmácias.

"Se o produto não tem registro na Anvisa, não se conhece a sua origem, composição e o consumidor corre o risco de sofrer problemas na pele. Quem encontrar produtos assim deve denunciar à Anvisa (0800-611997 e e-mail ouvidoria@anvisa.gov.br) ou à vigilância sanitária de sua cidade", diz o diretor da Anvisa Dirceu Barbano.

O consumidor pode identificar se o álcool tem o registro verificando na embalagem a presença de um código com as iniciais "MS" e seguido de um código numérico. "Para ter certeza se o registro realmente está correto, basta ligar para a Anvisa e confirmar o código", assegura Barbano.

Além do registro, ele diz que não importa se o produto está em forma de gel ou líquido, mas a concentração dele. O importante é ter concentração de 70% (composto com 70% de álcool etílico e 30% de água). Acontece, que os produtos nessa concentração normalmente estão em forma gel", explica.

Também é recomendável evitar o álcool em gel de limpeza doméstica, encontrado na seção de limpeza dos mercados. Com relação à mistura caseira para transformar o produto líquido em gel (70% de álcool líquido e 30% de água) - propagada devido a falta do produto gelatinoso nas prateleiras - ele diz que não é a melhor a opção, mas pode ser utilizada.

"Numa situação como a que vivemos atualmente, o importante é o hábito de higienizar as mãos, como lavá-las com regularidade. O álcool é fundamental naquele ambiente em que o consumidor não tem condições de fazer isso", diz o diretor da Anvisa. Nesse caso, porém, o consumidor não deve se esquecer de conferir na embalagem do álcool líquido, além do registro da Anvisa, o selo obrigatório do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro).

http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/08/31/cuidados+necessarios+na+hora+de+comprar+alcool+em+gel+8169947.html

Pessoal, é importante prevenir? sim,  extremamente. Mas cuidado, o que você acha que está protegendo você e sua família, pode, na verdade, estar abrindo as portas do seu corpo para Influenza e outros virus e bactérias nocivos à saúde.

O alcool em gel para limpeza doméstica pode ressecar as mãos, provocando pequenas lesões, escancarando, assim, as portas do seu organismo.

A epidemia está retrocedendo, mas não devemos descuidar, ela chegou, é uma realidade, e especialistas chamam a atenção para o próximo inverno, onde a disseminação do virus promete ser maior.

O perigo não passou, o gigante apenas está sonolento, ele vai adormecer, mas o Rotaract Club de Ponta Grossa - Uvaranas ficará alerta para informar.

"Não importa se poucos me escutam, se fizer a diferença nem que seja apenas pra um, já estou no lucro"

2 comentários:

Eduardo Moska disse...

LEGALLLL! :D Agora vou ler! :D

T@u! disse...

a primeira pessoa q comenta antes de ler!
esse é o nosso mosquitinho!!